aromaterapia-como-medicina-alternativa-entenda-como-funciona.jpeg

Aromaterapia como medicina alternativa: entenda como funciona

Quando falamos em medicina alternativa, é comum pensarmos de imediato na homeopatia, visto que essa técnica é bastante popular entre os brasileiros. No entanto, você já ouviu falar sobre a aromaterapia?

A aromaterapia é uma prática de origem milenar que vem ganhando cada vez mais notoriedade no ramo clínico terapêutico, devido a seu enorme potencial de ser um tratamento complementar para várias doenças.

Esse potencial está diretamente relacionado às propriedades físico-químicas dos óleos aromáticos extraídos de plantas que, quando incorporados ao nosso cotidiano, conseguem influenciar nossa saúde física e emocional.

Quer entender melhor como isso funciona? Então acompanhe o post e descubra o poder dos aromas!

O que é aromaterapia?

Originária das antigas civilizações do oriente, a aromaterapia é uma técnica que combina arte e ciência na utilização de óleos aromáticos vegetais com o objetivo de equilibrar nosso bem-estar físico, emocional e espiritual.

A técnica ganhou esse nome justamente porque os óleos extraídos dos vegetais têm o odor como característica principal, conferindo perfumes específicos a cada tipo de planta.

É a composição química desse perfume — com suas propriedades anti-inflamatórias, analgésicas, calmantes e outras — que carrega o potencial terapêutico dos óleos, configurando-se como um poderoso aliado na prevenção e tratamento de diversas doenças.

Mas atenção: é importante salientar que a aromaterapia é compreendida como uma prática auxiliar da medicina convencional. Isso porque essa técnica, por si só, pode não ser capaz de curar enfermidades específicas, ainda que seja bastante eficaz para determinados sintomas.

Porém, com o auxílio de um profissional especializado na prática — seja ele do ramo médico, psicológico ou até mesmo estético — é plenamente possível tirar máximo proveito da aromaterapia, trazendo mais qualidade de vida e equilíbrio emocional para o seu dia a dia.

Existe contraindicação?

Em linhas gerais, podemos dizer que não há contraindicações relacionadas à aromaterapia, sobretudo ao considerarmos que o processo de extração e formulação dos óleos essenciais é 100% natural. Por outro lado, é preciso apontar a diferença entre os óleos essenciais (fabricados naturalmente com matéria-prima de vegetal) e as fragrâncias sintéticas, popularmente conhecidas no mercado como “essências”.

Essa diferença é fundamental para identificarmos o potencial terapêutico dos aromas, visto que, para garantir a máxima eficiência na prática, é necessário que o processo de formulação do óleo aromático seja de origem natural, o que não acontece no caso das fragrâncias sintéticas.

Portanto, optar por óleos aromáticos naturais — tecnicamente chamados de “óleos essências” — é o primeiro passo para adotar a aromaterapia sem colocar em risco a sua saúde.

Reforçamos também a necessidade de buscar orientação especializada antes de iniciar a prática, uma vez que as indicações e aplicações dos aromas podem variar conforme a composição química do óleo.

Quando aplicados de maneira inadequada, por exemplo, esses compostos podem causar manchas, alergias ou reações indesejáveis na pele, principalmente porque os óleos essenciais são extremamente concentrados.

Mas não se preocupe! Para que você entenda direitinho como utilizar essa técnica a seu favor, trouxemos a seguir um guia com as principais doenças para as quais a aromaterapia é eficaz enquanto medicina alternativa, destacando também os métodos de aplicação. Confira!

Em quais tratamentos essa prática auxilia?

Doenças respiratórias

Os sintomas são clássicos: congestionamento nasal, desconforto nas vias aéreas, tosse, muco e coriza. Seja um simples resfriado, seja um problema respiratório mais grave — como asma, bronquite ou sinusite — o efeito clínico terapêutico dos aromas é garantido!

Basta utilizar os óleos indicados para esses casos, como lavanda, camomila, eucalipto, pimenta, bergamota e néroli (a popular flor de laranjeira). A aplicação é simples e pode ser feita por meio de inalação ou massagens sutis com á mistura de algum óleo ou gel vegetal como base com algum destes óleos essenciais nas regiões afetadas, como peito e garganta.

Dores musculares

Edemas, torções, contusões… Dores musculares também podem ser facilmente aliviadas com a prática da aromaterapia. Os óleos mais recomendados para esses casos são os de cipreste, melissa, hortelã, pimenta preta, camomila, lavanda e bergamota.

Quanto à aplicação, ela deve ser feita através de leves massagens com a mistura de base vegetal com óleo essencial e compressas quentes sobre as áreas afetadas.

Indigestão

Quem nunca sentiu desconforto intestinal após se alimentar de forma inadequada ou depois de um dia exaustivo de trabalho, não é mesmo? Para esses casos, os óleos essenciais de manjerona, camomila e lavanda são poderosos aliados para reequilibrar o metabolismo, devido a suas propriedades calmantes e revigorantes.

Para uma aplicação mais eficaz, faça compressas quentes e massageie suavemente a região afetada, priorizando as áreas ao redor do estômago.

Enxaquecas

Essa talvez seja a queixa mais comum na rotina do brasileiro. Afinal, com o estresse e a correria do dia a dia, a dor de cabeça é sempre o primeiro sinal que aparece para mostrar que algo não vai bem no nosso corpo ou estado emocional.

Para aliviar os sintomas e restabelecer o equilíbrio, recomenda-se utilizar óleos terapêuticos de hortelã, camomila, gerânio ou jacarandá. O método de aplicação consiste em fazer compressas e aplicá-las diretamente na região afetada, privilegiando testa e área das sobrancelhas, com movimentos leves, porém precisos.

Tensões pré-menstruais

Os sintomas advindos da TPM são outra queixa muito comum no nosso cotidiano. Para prevenir ou combater cólicas abdominais, retenção de líquidos, enxaquecas e demais sintomas típicos das tensões menstruais, recorra aos óleos essenciais de camomila, gerânio e manjerona.

Os métodos de aplicação são bastante variados, podendo incluir compressas quentes, massagens ou banhos infusivos.

Estresse

Estresse, mau-humor e angústia são sinais clássicos de que está na hora de parar e relaxar um pouco, certo? Nesses momentos, use e abuse da aromaterapia para aliviar seu corpo e sua mente das pressões diárias.

Os óleos essenciais de maior volatilidade — como a camomila, jasmim, lavanda, bergamota, néroli e jacarandá — são perfeitos para esses casos. Quanto à aplicação, você pode utilizar esses óleos como purificadores de ambientes e também em banhos aromáticos.

Ansiedade

Geralmente, a ansiedade está relacionada às demais disfunções psicológicas da mente humana, como o estresse, insônia e a depressão. Portanto, os óleos terapêuticos de maior poder aromático tendem a ser mais eficazes também nesse caso.

Cedro, gerânio, melissa, néroli, lavanda, zimbro, bergamota, camomila e ylang-ylang são opções que possuem teor aromático ideal para combater os sintomas da ansiedade e contribuir para um profundo relaxamento.

Insônia

Camomila, lavanda e néroli. Escolha qualquer um desses óleos, purifique o ambiente e tenha uma noite de sono tranquila! Eles aliviam as tensões do dia a dia, propiciando sensações favoráveis para o descanso.

Se você preferir, poderá também aplicar algumas gotinhas do seu óleo preferido no travesseiro antes de dormir, o que é muito efetivo.

Acne

Muitos óleos essenciais possuem propriedades tonificantes e adstringentes. Por isso, são largamente utilizados para fins estéticos, como prevenção e combate a acnes e espinhas. Nesses casos, as opções mais indicadas são os óleos de cânfora, lavanda, gerânio e bergamota.

Viu só? Agora que você compreendeu exatamente como funciona a aromaterapia, já pode incorporar essa poderosa prática da medicina alternativa ao seu cotidiano. Sua saúde física e mental agradecem!

Para mais novidades e tendências sobre bem-estar e sustentabilidade, não deixe de seguir nosso Facebook e Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This