produtos-a-base-de-aloe-vera-sustentabilidade-beneficios-e-mais.jpeg

Produtos a base de Aloe Vera: sustentabilidade, benefícios e mais

É de conhecimento popular a grande versatilidade dos produtos naturais, que podem suprir muitas de nossas necessidades diárias. E a Aloe Vera, também conhecida como babosa, não é exceção.

Essa tradicional planta, originária da África, pode ser considerada uma das mais funcionais, com aplicações que vão desde ingrediente de cosmético e de produtos de limpeza até protagonista na manutenção de nossa saúde.

Foi esse amplo campo de usos para a Aloe Vera que nos inspirou a elaborar este artigo. A seguir, vamos falar um pouco mais sobre as raízes dessa planta, bem como os benefícios que ela pode trazer quando inserida em nosso dia a dia.

Quer saber como essa popular planta tem se mostrado de grande auxílio, ao longo dos séculos, na forma de cosméticos, medicamentos ou suplementos nutricionais? Então, acompanhe-nos com a leitura deste post!

Histórico da Aloe Vera

Caso o nome ainda não seja familiar para você, talvez você conheça a Aloe Vera como babosa, um carinhoso apelido que se deve à textura gelatinosa dessa planta exótica.

Ela possui flores amarelas, em geral, e uma folhagem esverdeada e rígida. Os primeiros registros de seu uso datam de 3.500 a.C., no Egito, já com propósitos medicinais e cosméticos.

Mas, através da história, outros relatos associam esses benefícios à vida de muitas figuras marcantes, como as rainhas egípcias Nefertite e Cleópatra, Alexandre, o Grande, e até mesmo com presença em passagens bíblicas — como João 19:39 e Cantares 4:14.

Até por isso, a Aloe Vera — que também já foi chamada de “lírio do deserto” — tem sido reverenciada há milênios como a planta da imortalidade, o que ajuda a destacar o poderio dessa representante da família das Asphodelaceas.

O interessante da Aloe Vera é que os seus benefícios e cultivo não se limitaram apenas à região onde nasceu e se desenvolveu. Com o advento das explorações marítimas, entre os séculos XV e XVI, a planta embarcou junto com as caravelas em uma nova jornada, se adaptando bem a outros climas e solos.

Consequentemente, a Europa e as Américas também puderam desfrutar dessa versatilidade que pouco se encontra na natureza. Assim, a babosa, ou Aloe Vera, se expandiu ao redor do mundo inteiro.

No entanto, o seu consumo interno, no Brasil, foi regulado e proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) de acordo com a Resolução Nº 5.052, de 10 de novembro de 2011.

Em seu primeiro artigo, a ANVISA passa a “Proibir a importação, a fabricação, a distribuição e a comercialização, em todo território nacional, de alimentos e bebidas à base de Aloe Vera, por não haver comprovação da segurança de uso e nem registro junto à ANVISA/MS”.

Só que podemos identificar, nesse motivo, menos risco à saúde em decorrência do consumo da planta e, sim, como forma de controlar a qualidade dos produtos produzidos e comercializados.

Até por isso, a ANVISA permite que as fórmulas de cosméticos e fitoterápicos (de uso tópico) com propósito cicatrizante contenham babosa. Não muda, entretanto, que essa decisão faz com que menos pessoas tenham acesso a ela e à sua ampla variedade de benefícios — que teremos conhecimento logo a seguir.

Características da Aloe Vera

Sendo da família das Asphodelaceas — as inconfundíveis suculentas —, é possível destacar de imediato a resistência da Aloe Vera para sobreviver em climas desérticos e áridos. Afinal, é uma característica comum a esse tipo de planta a capacidade de armazenar grandes quantidades de água.

Essa peculiaridade, inclusive, é determinante para que esse reservatório conserve o seu líquido interno e gelatinoso — que contém tantas propriedades benéficas e até mesmo sustentáveis.

Vale apontar, também, outras características do cultivo da Aloe Vera — algumas exclusivas a essa planta, outras tão comuns às demais espécies de sua família vegetal:

  • são cultivadas ao ar livre, com alta tolerância à secura do ar;
  • a planta cresce bem nos mais variados tipos de terreno, indo desde os áridos e pouco produtivos aos férteis — desde que possuam boa drenagem;
  • com a possibilidade de cultivar Aloe Vera em casa, tenha em mente que ela necessita de pouca quantidade de água para se manter lívida. A recorrência se dá ainda menos nos períodos mais frios do ano, sendo necessário esperar o solo secar completamente.

O gel extraído de suas folhas é formado por gliconutrientes de cadeia longa, também conhecidos como polissacarídeos. É nessa complexidade biológica que podemos explorar as dezenas de benefícios creditados à Aloe Vera. Inclusive, a de se regenerar com facilidade.

Dessa maneira, a babosa se ocupa rapidamente de cicatrizar qualquer corte ou ruptura que se der em sua folha, evitando que o seu reservatório evapore e, consequentemente, a desidrate.

Quando levamos essas mesmas propriedades para o consumo humano, identificamos nos polissacarídeos uma significativa propriedade fungicida, bactericida e antiviral. Sem falar que a sua composição tem destacada atuação também nos princípios ativos de medicamentos sintéticos. Não são poucas as empresas que fazem produtos à base dessa plantinha.

O que há no gel presente na Aloe Vera

Podemos encontrar, no interior da planta, diversas substâncias. Vale a pena mencionar as seguintes:

  • água;
  • 12 vitaminas;
  • 18 aminoácidos;
  • 20 minerais;
  • 200 componentes vegetais, como enzimas, terpenos, gliconutrientes e os já citados polissacarídeos.

Nesse último item, vale apontar a presença da acemannan, que é uma substância capaz de estimular a movimentação dos nossos órgãos digestivos, e também de ajudar a eliminar algumas proteínas estranhas que podem nos causar alergias.

Agora que você já sabe tudo que faz parte da Aloe Vera e até mesmo as suas principais aplicações, podemos embrenhar no amplo assunto dos seus benefícios, começando a falar das propriedades da planta. Vamos conferir quais são?

O uso da Aloe Vera em produtos biodegradáveis

Você pode imaginar que a nossa representante das suculentas tem grande participação na indústria química de produtos de limpeza. Na verdade, esses itens não são feitos à base da planta, mas suas fórmulas contam com algum porcentual dela.

Pode-se dizer que sua aplicação no setor é cada vez maior, porque o seu uso torna desnecessário incluir nas formulações tantos químicos prejudiciais à natureza e que podem também gerar danos ao nosso organismo quando manuseamos os produtos.

É o caso, por exemplo, dos detergentes. Muitos deles recebem uma certa quantidade da planta para evitar algum sintoma desconfortável no uso do produto, como quadros de irritação na pele.

Ou seja: diante de um cenário em que mais pessoas estão em busca de alternativas naturais e livres de químicos que agridem o meio-ambiente e a saúde, a Aloe Vera tem sido uma alternativa para trazer mais qualidade de vida ao nosso consumo cotidiano.

Outro exemplo claro desse benefício é a aplicação do seu gel para conservar alimentos. Sabia disso? Trata-se de uma recente descoberta do estudo conduzido por Daniel Valero, Ph.D na universidade espanhola Miguel Hermánez, que atesta o poder da planta em conservar ingredientes naturalmente.

Isso pode significar a redução de conservantes químicos na produção industrial, gradativamente promovendo uma alimentação de qualidade. Para provar isso, Valero conservou, em ambiente refrigerado, uvas cobertas com uma fina camada da babosa, e outras sem o mesmo tratamento.

Como resultado, as frutas protegidas pelo gel se mantiveram conservadas por um período de 35 dias, ao passo que as outras não passaram de 7 dias frescas.

Isso quer dizer que estamos nos aproximando de uma cultura de conservação de alimentos que independe de uma indústria química prejudicial ao meio-ambiente e ao nosso corpo. Já é um bom tópico para apresentar aos seus filhos, ensinando-os, assim, a cuidar do planeta.

Aproveitando: que tal conferir nossa lista com 5 produtos de limpeza que podem fazer mal à saúde?

Benefícios do uso de Aloe Vera para as pessoas

Prepare-se, porque a lista é longa e igualmente diversificada. A seguir, vamos tratar um pouco a respeito dos principais benefícios que essa singular pérola das Asphodelaceas pode trazer às nossas rotinas. E, para começar, vamos falar a respeito das propriedades da babosa para a recuperação e manutenção de nossa saúde.

Quando analisamos os benefícios desse versátil gel — seja por meio de sua ingestão ou de aplicações tópicas na superfície da pele —, encontramos pontos positivos nas mais diversas funções do corpo humano. Entre os aspectos benéficos, podemos citar:

Auxílio em equilibrar os níveis de colesterol ruim e triglicérides

O gel da planta, quando consumido, tem papel significativo em trabalhar a melhoria da qualidade de nosso sangue. Isso faz com que as pessoas com altos níveis de colesterol ruim e triglicérides possam reencontrar o desejado equilíbrio desses mesmos índices.

Isso tem colocado a Aloe Vera como uma das grandes beneficiadoras na manutenção de nossa saúde e qualidade de vida — principalmente se comparada a medicamentos alopáticos que, muitas vezes, vêm acompanhados de uma longa lista de efeitos colaterais nocivos.

Vale apontar, ainda, que esse consumo constante é benéfico para promover melhorias em nosso desempenho cardiovascular — o que pode se traduzir, posteriormente, em mais disposição e resistência para encarar uma rotina regular de atividades e exercícios físicos.

Contribui com a dissolução de pedras nos rins

Existem ótimas receitas de sucos que levam a planta em sua composição para conferir um auxiliar de peso na dissolução de pedras nos rins. Além disso, o seu consumo também protege contra a cristalização dos oxalatos — substâncias muito comuns em alguns tipos de chás e no café.

Atua no processo de alcalinização do sangue

Nosso sangue também precisa alcançar o nível adequado de pH, da mesma forma que ocorre em outras soluções, como a água.

O consumo da babosa, nesse caso, pode ajudar a equilibrar o nível de alcalinidade do sangue, que se altera em decorrência do consumo de muitas substâncias acidificantes, como a farinha ou o açúcar.

Providencial no tratamento de úlceras

Não apenas úlceras, mas também as indigestas síndromes do intestino irritável e outros tipos de desordens do órgão, como a Doença de Crohn, podem ser tratados com a Aloe Vera.

Isso se deve ao fato de que os polissacarídeos possuem efeito regenerativo, como já mencionamos, e ele é de grande ajuda para tratar as desordens digestivas.

Vale salientar que o seu alívio não é imediato e tampouco substitui a necessidade de uma orientação médica ou o uso de medicamentos específicos — mas é um auxílio natural e mais que bem-vindo.

Reduz a pressão arterial

Com o consumo regular dessa espécie de suculenta, é possível observar uma significativa melhora na circulação do sangue por todo o organismo, além de dilatar os vasos capilares e fortalecer as veias.

Há quem também credite à planta a redução dos níveis de estresse — embora o correto diagnóstico da causa do problema seja igualmente relevante, para que o estresse não se torne recorrente ou crônico.

Pode ajudar em casos de queimaduras físicas ou radioativas

Aplicada sobre a pele, a Aloe Vera ajuda a agilizar o processo de cicatrização decorrente de queimaduras, podendo chegar a ser 9 dias mais rápido do que pelo uso de outros tratamentos tópicos convencionais, como pomadas. Não se esqueça, porém, que queimaduras graves devem sempre ser tratadas por um médico especializado.

Versátil kit de primeiros socorros

Além do uso tópico para tratar queimaduras, a babosa também ganha destaque por servir de elemento multiuso em seu kit de primeiro socorros.

Para substituir sprays e loções anti-sépticas, você pode optar por esse gel natural e livre de efeitos colaterais na assepsia de ferimentos. Os efeitos bactericida e fungicida ajudam a limpar bem os machucados e a cuidar da cicatrização. Portanto, você pode usar esse ingrediente para tratar de:

  • arranhões;
  • cortes;
  • furos;
  • mordidas;
  • queimaduras;
  • raladuras;
  • desidratação (ao consumir o gel, você pode se hidratar, sabia?).

Além disso, como mencionamos, a planta pode ser usada para combater os vírus do dia a dia, já que possui ação antiviral. Já é uma boa quantidade de medicamentos que pode ficar fora de sua lista de farmácia, não é mesmo?

Quer uma dica? Você também pode usar essas mesmas propriedades para tratar eventuais machucados em seus animais de estimação — algo de grande valia para abandonar alguns químicos que entram no organismo dos bichinhos acostumados a lamber suas feridas.

Outro ponto de atenção: da mesma maneira que citamos no caso do tratamento de úlceras e queimaduras, a Aloe Vera não substitui o diagnóstico e acompanhamento médico em caso de ferimentos mais graves.

Nesses casos, recomenda-se que você pergunte ao profissional a possibilidade de substituir um ou outro medicamento pela planta, ou utilizá-la concomitantemente ao tratamento.

Tem participação ativa na lubrificação do trato digestivo

Em 1995, foi publicado um estudo na International Immunophamacology apresentando a capacidade desse gel em fortalecer o sistema imunológico — em especial, os leucócitos conhecidos como Natural Killer, aqueles que combatem tumores cancerígenos.

Claro que a planta não substitui nenhum outro tratamento contra o câncer, mas as suas propriedades têm sido relevantes para lubrificar o trato digestivo e servir como um aliado a mais — e totalmente natural — para invalidar os avanços da doença na região.

Estabiliza os níveis de açúcar no sangue

Diabéticos podem encontrar na Aloe Vera um bom complemento à sua terapia cotidiana. Isso porque tem sido comprovada a eficácia do seu consumo na regulação dos picos elevados de açúcar na corrente sanguínea.

Quando o sangue percorre através de nossas veias com mais fluidez, a circulação é aprimorada — e esse é um dos maiores desafios enfrentados pelos diabéticos.

Protege o corpo contra os males do fígado

Para garantir um reforço de propriedade contra as doenças que acometem o fígado, a planta já se mostrou de grande ajuda para fortalecer o órgão e aumentar a qualidade de vida.

Atua como um isotônico natural

Anteriormente, mencionamos que a babosa pode ser utilizada para consumo e, assim, hidratar o corpo. No entanto, outro benefício dela está associado ao equilíbrio dos eletrólitos — algo popularmente creditado às bebidas isotônicas artificiais.

Ou seja: você pode aproveitar essas propriedades naturais e evitar, mais uma vez, o consumo de produtos industrializados para aprimorar a sua qualidade de vida.

Possui características anti-inflamatórias

Como solução tópica, o gel da babosa tem sido recomendado para tratar as incômodas inflamações nas juntas, podendo ser uma excelente alternativa para reduzir as dores decorrentes da artrite.

Não apenas isso: ao consumi-lo, é possível também tratar inflamações diversas, o que pode ser um complemento e tanto para as soluções já aplicadas em seu dia a dia para cuidar desse tipo de problema.

A Aloe Vera como produto cosmético

Muito além de suas propriedades voltadas à recuperação e manutenção da saúde, a Aloe Vera também vem sendo muito utilizada por empresas de cosméticos e é uma das queridinhas daqueles preocupados com a manutenção da beleza natural — e que abrem mão dos químicos nocivos para isso, claro.

Nesse campo, podemos avaliar que essa parente próxima das suculentas ganha espaço em nossos seguintes rituais diários:

Hidratação da pele

A babosa possui características singulares que ajudam a deixar a pele mais macia e naturalmente bela, além de ser um bom ingrediente para combater o envelhecimento precoce.

Existem diversas receitas capazes de potencializar esses desejados resultados na superfície da pele. Para auxiliar, selecionamos 4 receitinhas simples que podem contribuir com o clareamento da pele, a regeneração dos tecidos cutâneos e também para proteger o rosto das agressões cotidianas, como a poluição. Confira!

Açúcar e babosa

Após lavar o rosto, com a utilização de um sabonete com pH neutro, aplique esse esfoliante natural — por 1 minuto, aproximadamente — para eliminar as células mortas e renovar a saúde dos poros.

Leite e babosa

Mais uma combinação que visa o clareamento da pele, ajudando também a reduzir o aspecto marcante de manchas.

A mistura deve ser feita com partes iguais de Aloe Vera e leite, em um recipiente, sendo necessário mexer para deixar a combinação o mais homogênea possível. Mantenha o produto em geladeira por até 3 dias e aplique-o de manhã e à noite.

Mamão e babosa

Além de regenerar a pele, a aplicação de mamão com babosa também ajuda a remover olheiras. E o processo é bastante similar ao anterior, com a diferença que você vai deixar a mistura agir sobre o rosto por cerca de 20 minutos, removendo-a em seguida com água morna.

Leite, mel e babosa

Hidratante natural, que deve ser misturado em partes iguais e mantido em contato com a pele por 40 minutos, para que o seu processo de ação seja eficiente. Em seguida, basta lavar o rosto para remover o produto.

Tratamento capilar

São muitas as qualidades que o gel da Aloe Vera pode trazer para a saúde e beleza dos cabelos. A começar pela sua natural proteção contra os raios UV, uma vez que ele cuida do couro cabeludo como se fosse um verdadeiro protetor solar.

Além disso, os efeitos daqueles inconvenientes do dia a dia, como vento, chuva, tempo seco ou mesmo a oleosidade natural dos fios, são minimizados pelo aspecto macio e brilhante promovido pelo uso desse gel.

Vale apontar que a Aloe Vera é bastante indicada no combate à caspa, que é a escamação excessiva do couro cabeludo, e tem sido considerada também um auxiliar para prevenir a queda de cabelo. Em alguns casos, entretanto, é importante avaliar com um profissional especializado as causas para a queda repentina dos fios.

Cuidados e observações para lidar com a Aloe Vera

Caso tenha interesse em cultivar a Aloe Vera em seu jardim, quintal ou varanda, recomenda-se a espécie Barbadensis, de folhagem espessa e que pode ser de grande valia em seu lar.

Para extrair a babosa, basta descascar as folhas, com o auxílio de uma faca, e colher o material gelatinoso (que pode ser conservado por até 6 meses).

Contraindicações no uso ou consumo de babosa

As reações alérgicas são raras, mas existem. Por isso, comece a utilizar uma baixa dosagem desse ingrediente, para se prevenir contra qualquer tipo de problema.

Caso você nunca tenha consumido Aloe Vera antes, tenha a precaução de começar com pequenas porções. Reações alérgicas à planta são muito raras, porém, cautela é sempre recomendável.

Além disso, existem alguns grupos que devem evitar a ingestão do gel, como:

  • crianças;
  • gestantes e lactantes;
  • pessoas com inflamação no útero ou ovário;
  • pacientes em tratamento contra hemorroidas, fissuras anais, cistite, varizes, apendicite, nefrite e pedra na bexiga.

Efeitos colaterais também devem ser observados — embora ocorram em uma escala mínima —, como cólicas ou diarreia. Nesses casos, o uso da planta deve ser interrompido imediatamente.

Invista em mais Aloe Vera no seu dia a dia

E então, deu para observar o quanto essa plantinha é versátil e pode acrescentar diversos benefícios na sua rotina, que vão desde alternativas mais sustentáveis de produtos de limpeza à promoção de mais saúde e qualidade de vida para você e seus familiares?

Ao avaliar como cada uma dessas propriedades podem fazer mudanças significativas em sua vida, mais você vai desejar contar com a Aloe Vera em seu lar.

Para continuar por dentro de novidades e dicas tão relevantes quanto as que exploramos ao longo deste artigo, convidamos você a assinar a nossa newsletter. Assim, você saberá de todas as nossas novidades e recomendações em primeira mão!

Bibliografia:

http://homeguides.sfgate.com/environment-needed-aloe-vera-plants-survive-67448.html

http://www.telegraph.co.uk/gardening/how-to-grow/the-best-houseplants-to-clean-the-air-in-your-home-as-recommende/

http://www.health.com/beauty/aloe-vera-benefits

http://www.huffingtonpost.ca/2017/06/30/aloe-vera-benefits_a_23008510/

http://www.sciencetimes.com/articles/17670/20170728/indoor-plants-health-benefits-for-apartment-dwellers-high-rise-residents.htm

http://www.thealternativedaily.com/reasons-to-drink-aloe-vera-juice/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This