sinergia-na-aromaterapia-entenda-o-que-e-e-como-fazer.jpeg

Sinergia na aromaterapia: entenda o que é e como fazer

Cuidar da saúde é a maior preocupação hoje em dia. E é justamente por esse motivo que muitas pessoas têm recorrido a terapias alternativas para complementar o tratamento alopático ou homeopático, ou até para prevenir problemas de saúde.

Uma dessas alternativas bastante procurada e recomendada é a aromaterapia. Neste artigo vamos apresentar o que ela é e também como você mesmo pode fazer sinergias, ou seja, misturas dos óleos de forma correta, para aproveitar ainda mais seus benefícios. Confira!

O que é aromaterapia?

É um tratamento que utiliza óleos essenciais extraídos das plantas — frutos, raízes, flores, sementes e folhas. Assim, é um ramo da fitoterapia, que estuda o uso medicinal dos vegetais.

aromaterapia passou a ser estudada mais a fundo pelo médico francês Jean Valnet, que descobriu que os óleos essenciais têm efeitos antifúngicos, antissépticos, cicatrizantes, antivirais e antibacterianos. Outra descoberta foi que esses líquidos agem transportando nutrientes pelas células do corpo. Dessa forma, pode-se comprovar a eficácia do tratamento.

É considerada uma terapia holística, ou seja, que aborda o problema a ser tratado como um todo. Assim, não é somente o físico que é tratado, como também o mental e o emocional.

O que são óleos essenciais?

São substâncias altamente concentradas extraídas das plantas. Justamente por essa característica precisam ser diluídas, e esse processo é feito em óleos vegetais emolientes. Os mais utilizados são o de amêndoas e o de semente de uva, mas há outras opções, como, os de coco, de jojoba, de rosa mosqueta e de avelã. Esses são chamados óleos carreadores.

A diluição recomendada é de 1 a 2,5%. A de 3% é usada apenas para tratamentos localizados e para pequenas partes do corpo.

De que maneira a aromaterapia é aplicada e de que forma ela funciona?

Há várias formas de se obter os benefícios dos óleos essenciais: uso tópico, inalação e uso interno. Conheça cada uma delas e saiba quando utilizá-las:

Uso tópico

Coloca-se o óleo diretamente em contato com a pele, as unhas, os cabelos e os dentes. Isso é feito por meio de aplicação direta, massagem, compressas e banhos. Também é possível utilizar os óleos em sabonetes líquidos ou em gel de materiais vegetais. É importante seguir as recomendações de algum terapeuta pois alguns pois alguns óleos em contato direto com a pele podem irritar. 

Em contato com a pele, os óleos são absorvidos pelos poros, entram na corrente sanguínea, passam pelo sistema linfático e chegam aos órgãos.

Inalação

Com esse método, a absorção dos óleos é feita por meio da difusão atmosférica. Há várias formas de se efetuar esse procedimento. Pode-se pingar nas mãos, friccioná-las, colocá-las próximas ao nariz e aspirar. Outro modo é utilizando o vapor quente: pingue algumas gotas em água aquecida e respire o vapor.

Porém, as maneiras mais empregadas são com aromatizadores de ambientes e até mesmo em produtos de limpeza. Ao adotar esse procedimento, além de deixar seu lar perfumado, você estará contribuindo muito para a sua saúde e seu bem-estar.

Fazendo da inalação, as propriedades dos óleos atingem o sistema nervoso central. Assim que isso ocorre, o cérebro processa as informações recebidas e envia novas mensagens ao restante do corpo. Por exemplo, ao inalar os aromas de camomila e lavanda, o sistema nervoso central entenderá que é preciso relaxar. Então, ele enviará essa informação a todo o corpo, que atenderá ao seu comando.

Uso interno

É a ingestão e a internalização dos compostos, conforme prescrição de um terapeuta especializado.  Isso pode ser feito por meio da adição dos óleos às bebidas e comidas ou com a aplicação sublingual. Há quem prefira em cápsulas ou misturar a dose recomendada com um pouco de mel ou água para depois ingerir. Para certos casos, utiliza-se supositório ou se faz inserção vaginal.

As propriedades dos óleos entram em contato com as mucosas, atingem a corrente sanguínea e são distribuídas pelo corpo. A dose adequada para ingestão é de 1 gota para cada 20 kg de peso corporal. Neste caso também só sob prescrição de algum terapeuta.

O que é sinergia?

Trata-se da mistura harmônica de mais de um óleo. Com a sinergia, obtém-se um novo aroma. Há diversos óleos essenciais e com inúmeras possibilidades de combinações. Além disso, a interação potencializa os princípios ativos e permite um tratamento mais preciso e adequado.

Para isso, é necessário conhecer as propriedades individuais de cada óleo e também seu aroma. Dependendo do perfume, o resultado aromático pode desagradável, apesar de eficaz. Nesses casos, evita-se a combinação, pois a terapia deve ser prazerosa e um cheiro ruim prejudica a experiência, não é mesmo?

Sobre as propriedades, é fundamental que sejam complementares, jamais opostas. Não faz sentido misturar um óleo relaxante com um energizante, por exemplo.

Como fazer a sinergia na aromaterapia?

Há algumas regras que precisam ser seguidas. A principal é que se devem usar, no máximo, 4 tipos diferentes de óleos essenciais. A respeito da quantidade, é preciso seguir a receita: para cada 5 ml de óleo carreador, usa-se no mínimo 1 gota e no máximo 3 gotas de óleo essencial. 

Se para uma massagem energizante, por exemplo, utilizaremos 20 ml de óleo carreador, não poderemos adicionar menos que 4 e nem mais que 12 gotas de óleo essencial. Para a sinergia, escolhemos 3 óleos com efeitos estimulantes: mandarim, flor de laranjeira e pimenta cinza são algumas das opções.

Sendo assim, aos 20 ml de óleo carreador, poderemos acrescentar no máximo 4 gotas de cada um dos óleos escolhidos. Dessa forma, nossa sinergia final poderá ser:

  • 20 ml de óleo de amêndoas (ou outro carreador),
  • 4 gotas de óleo de mandarim,
  • 4 gotas de óleo de flor de laranjeira e
  • 4 gotas de óleo de pimenta cinza.

Qual a melhor forma de se obter uma sinergia bem equilibrada?

Os óleos essenciais são classificados de acordo com a sua volatilidade, que chamamos de notas. Assim, os que possuem alta volatilidade, dizemos que têm nota alta. Seguindo isso, dividimos em 3 categorias: notas altas, médias e baixas.

Os aromas florais possuem nota alta, enquanto aqueles extraídos das folhas possuem nota média. Por sua vez, os amadeirados possuem nota baixa. Para conseguir a harmonia de uma sinergia, o ideal é a utilização de 1 óleo de cada grupo.

Como você pode perceber, a aromaterapia é uma excelente aliada na prevenção e tratamento de diversos problemas físicos e emocionais. Além disso, seu uso é bastante simples, basta seguir nossas dicas com relação à sinergia. Desse modo, você conseguirá obter resultados maravilhosos e elevar sua qualidade de vida!

Ficou com alguma dúvida? Já utilizou algum óleo essencial? Então deixe seu comentário no post e compartilhe as suas experiências!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This